Uma pedra no meio do caminho

uma pedra no meio do caminho

Tinha uma pedra no meio do caminho. No meio do caminho tinha uma pedra.

Sim, Drummond já nos cansou de dizer isto. Na verdade, a cada vez que alguém lê esse poema, conta novamente ao mundo seis vezes que “tinha uma pedra no meio do caminho”. Afinal, já não estava na hora de alguém ter tirado essa maldita pedra?

Talvez seja apenas preciso saber viver, já que uma pedra no caminho, você pode retirar. Isso segundo os Titãs, já que Roberto Carlos diz que você deve retirar. Com pressão ou não, se você tentar retirá-la, tente não usar água ou planta, talvez não seja tão efetivo.

Você também pode fazê-la rodar. Rolar a pedra. Isto pode custar uns 10 reais ou mais — e se você acha ruim, fique feliz que é apenas uma. Se fossem umas quatro, você poderia ser um garoto, que como eu… Ah, não é hora de falar da minha vida, vamos focar na pedra.

Pedra, pedra… Coração de pedra, pedra nos rins, pedra preciosa, Pedra Letícia, Porto da Pedra. É pau, é pedra, é o fim do caminho. Espera: afinal, a maldita está no meio ou no final deste bendito caminho? Acho que é bom deixar pra lá e empedrar este assunto.

o pai do ano

O pai do ano

o pai do ano

O que a gente gosta, a gente guarda. Quem ama a gente, a gente cuida. E pro resto a gente mostra a língua. # o pai do ano

Repensando aniversários, datas especiais e o Réveillon

De uns anos pra cá, passei a não ligar muito para aniversários, da mesma forma que já não ligo tanto para a cerimônia que se faz religiosamente todo fim-de-ano em torno da passagem para o Feliz Ano Novo.

Repensando aniversarios

Já passei Réveillon sem badalação (e até dormindo) e não vou esquentar se você também não me desejar Feliz Aniversário.

Posso passar a impressão de ser um cara meio amargo pra isso tudo, mas a verdade é que estas coisas se tornaram meros detalhes a partir do instante em que revi meus conceitos sobre o tempo (assim como sua medição e contextualização pelo homem).

Estou na fase dos vinte e poucos anos. Só que minha idade física não me diz nada de mais. Ao mesmo tempo, sinto-me como uma criança com muito a aprender e como um velho prestes a passar do prazo de validade [para o mercado, para as investidas amorosas/sexuais e para o que mais se convencionou como exclusivo da população fisicamente jovem].

Da mesma forma que minha idade física não me diz nada, as datas também não me servem para muita coisa ultimamente. Eu entendo que existe a História, que, ah, existe um calendário gregoriano, que temos doze meses, sete dias da semana, 24 horas para cada dia e entendo que isso tudo nos ajuda a institucionalizar datas especiais, definir períodos específicos, jornadas de trabalho e categorizar pessoas de acordo com o instante em que nasceram. Mas, analisando mesmo de forma superficial, todos esses conceitos são simbólicos e abstratos demais pra mim.

Independentemente da translação e da rotação da Terra, será que posso chamar todas essas divisões de tempo de arbitrárias e partes de uma convenção aceita pela nossa civilização em prol da ordem e da redação de nossa História?

Se recebo um sim como resposta, então eu, enquanto indivíduo, posso me livrar de toda a graça e superstição em torno dos anos novos, das segundas-feiras que muitos de nós repudiamos, das sextas-feiras libertadoras pelas quais tanto ansiamos e em torno da data que supostamente eu ganho um ponto a mais na minha idade todo ano.

Pode me chamar de arruaceiro, mas gosto da ideia de poder celebrar vinte, trinta, quantos Réveillons por ano eu bem entender. Sei muito bem da força da passagem de um ano para o outro, sei do poder transformador que um calendário novo traz. E acho incrível que isso se faça de forma institucionalizada pelo mundo todo no dia 31 de dezembro.

O zeitgeist da galera, sedenta por novos ares, é contagiante e inspiradora.

Só não me contento com a ideia de que muita gente só pense de forma aprofundada na própria vida, nos próprios sonhos e anseios quando o Ano Novo bate à porta. Deveríamos propor esses Réveillons particulares fora de época a nós mesmos sempre que sentirmos uma alta carga de energia e autoconfiança e quisermos investir em algo, em uma virada em nossas vidas. E claro: nesses casos, não vai fazer sentido algum você felicitar Parabéns para alguém além de você mesmo.

A festa é apenas e totalmente sua.

A Inovação da Solidão

O homem é uma criatura social e o sentimento de solidão pode enlouquecer, entretanto o mundo moderno ocidental idolatra a individualidade.

solitario

O indivíduo é medido pelas conquistas sociais, como sua carreira, saúde,
imagem e consumismo. Nesta situação, muitas pessoas perdem suas conexões sociais e familiares para favorecer um ideal de auto-realização.

Conforme o tecido social no mundo ocidental se enfraquece, não é surpreendente que mais e mais pessoas se definam como solitárias.

Assim a solidão se tornou a doença mais comum do mundo moderno.

Baseado no livro de Sherry Turkle, Alone Together,
a animação de Shimi Cohen, Innovation of Loneliness.

Com o avanço da tecnologia e a criação das redes sociais podemos suprir essa solidão.

Agora temos contato com pessoas, centenas de amigos, seguidores e fans, além de podermos compartilhar videos, fotos e experiências, e tudo isso on-line!

Nada mal, viramos estrelas do rock! Não é verdade?!
Ah… Mas espere, tem uma questão ainda.

Será que toda essa atenção é necessária? Quero dizer, será que somos realmente tão interessantes a ponto de que pessoas queiram saber sobre as nossas vidas?

Na verdade, nem precisamos ser tão interessantes, isso porque, podemos fingir que somos.

Pense bem, você não precisa ficar de frente para a pessoa que quer conversar. Isso te da a possibilidade de pensar cuidadosamente em cada palavra que vai escrever, para que tenha o exato resultado que espera. Você pode mentir com confiança, ninguém vai estar olhando nos seus olhos ou ouvindo o seu tom de voz.

Podemos nos questionar agora, se o contato que eu tenho on-line pode não ser real, será que o resto é?

Não digo apenas no sentido de ser verdade ou mentira, mas real em seu significado também.

Por exemplo, aquele “Feliz aniversário!” ou mesmo um “Eu te amo” que você recebeu em formato de mensagem no seu celular, fez você se sentir feliz ou amado de alguma forma?

Claro que essa mensagem no celular tem um significado quando mandada por uma pessoa que temos contato físico, mesmo que não esteja presente podemos imaginar ou assimilar de alguma forma essa sensação.

Porém, com cada vez menos contato físico, menos significado tem o texto por mensagem. Não só para quem recebe, mas também para quem envia.

Então você procura conhecer mais pessoas e cada vez que você faz um amigo novo, menos atenção você da aos antigos.

Entramos em uma parábola, onde quanto mais amigos conseguimos, menos realmente temos.

Sim, nós podemos.

Sim, nós podemos.

Sim, nós podemos mudar o mundo, passo a passo, dia após dia, sem pressa.
Sim, nós podemos viver realizados se nós nos conhecermos bem.
Sim, nós podemos fazer qualquer coisa se soubermos o que queremos.
Sim, nós podemos viver com paixão indo atrás dos nossos objetivos.
Sim, nós podemos viver nos sentir felizes pelo simples fato de estarmos vivos com saúde plena.
Sim, nós podemos viver sem mágoas, não importando o que foi feito.
Sim, nós podemos acordar desse sonho sem fim e começar a fazer algo sem aguardar outra pessoa fazer por nós.
Sim, nós só saberemos a resposta correta quando soubermos a pergunta certa a ser feita.
Sim, o mesmo dia e o mesmo lugar pode ser horrível para alguns e excelente para outros.
Sim, nós só somos derrotados quando nos permitimos.
Sim, o mundo é exatamente como nós olhamos para ele.
Sim, nós somos um só povo independente de crenças, valores e cor da pele.
Sim, a sorte não existe.
Sim, sonhos viram realidade. Não pare de sonhar.
Sim, você é o que você pensa.
Sim, o amor é o mais poderoso poder dos seres humanos.
Sim, grandeza é para todos aqueles que decidem viver grande.
Sim, tudo começa nos nossos pensamentos antes de se tornar realidade.
Sim, existe o suficiente de tudo para todos.
Sim, todo amanhecer é um novo dia.
Sim, todos os dias nós podemos escolher se teremos atitudes vencedoras ou perdedoras.
Sim, nós podemos tentar quantas vezes forem necessárias até acertar.
Sim, não há limite para nosso potencial. O limite é sua imaginação.
Sim, nós precisamos dizer muito mais Sim e menos Não.
Sim. Sim. Sim. Sim. Sim
Nós com certeza podemos.

Você é bem-vindo para adicionar quantos “Sim” você quiser nos comentários desse artigo.
Espero que alguma dessas convicções tenha feito sentido para você.

Cuba enviou médicos ao Brasil como se fossem reles mercadoria

Fico pensando se a sociedade brasileira percebeu o drama vivido pelos médicos cubanos, explorados em nosso país em regime de semiescravidão.

medicos cubanos
Nosso governo permitiu que a ditadura cubana enviasse esses profissionais ao Brasil como se fossem reles mercadoria e que não recebessem diretamente o que se paga pelo seu trabalho. Eles se deixam dominar como nossos antigos escravos por medo de represálias do senhor de engenho.

Faça a vida andar na sua velocidade

Se você acha que 2013 passou muito devagar ou muito rápido, sugiro a leitura desse texto.

Primeiramente gostaria de dizer que acho que separar nossas vidas em ciclos de anos é inútil. Imaginar que depois de uma noite de comemoração, queima de fogos, bebidas, abraços e promessas algo irá mudar é tolice. Afinal, se isso mudasse algo poderíamos fazer uma celebração todo final de mês e então o universo nos brindaria com a mesma onda de mudanças. Se fizéssemos retrospectivas de fatos importantes mensalmente, e depois houvesse a possibilidade de comparar com a retrospetiva anual de nossas histórias, ficaria nítida a diferença de fatos relembrados e também explicito que damos mais importância a fatos mais recentes, todas as retrospectivas começam em janeiro com poucos fatos e terminam com diversas ocorrências de novembro/dezembro.

Não estou aqui para discutir crenças e culturas, apenas exercitar como você pode ter mais controle sobre o que você acha incontrolável.

Passado este pequeno prólogo, é visível que além da teoria da relatividade, as pessoas tem percepções completamente diferentes da passagem do tempo. Muito disso está relacionado aos acontecimentos que foram relevantes para a vida daquela pessoa durante esse período estabelecido de 365 dias, e como dito anteriormente, nossa memória as vezes deixa para trás fatos que foram importantes uma semana depois de ocorrido mas que se tornam irrelevantes após algum período maior que isso.

Muitas pessoas levam suas vidas com base na definição da palavra “sobrevivência”.

Sobreviver:
Continuar a viver depois de outra coisa ou de outra pessoa.

Ainda tem mais

Escolhas

De todas as maneiras que tentei, essa é a que me parece mais certa. Eu deixei você ir porque eu não quero te decepcionar.

escolhas

Eu pensei e continuei a pensar. Esse foi meu tormento. Tomar a decisão que me afastaria de você.

Eu sinto muito, eu realmente sinto muito. Mas não poderia negar-lhe a chance de ser feliz com alguém melhor, alguém que estivesse sempre contigo. Que pudesse te abraçar, pegar na sua mão e sempre te amar.

Foram tantas noites de medo. Tantas noites que aquele aperto terrível se instalava em meu peito e me sufocava. Meu coração sempre querendo mais de você, meus braços chamando os seus, minha alma sentindo falta da tua. Eu sei, eu vou sentir sua falta, eu vou chorar a cada memória lembrada, a cada foto apagado de meu computador. Mas te ver feliz me lembrará do motivo de seguir em frente.

Você estava errada em dizer que quando você se fosse eu não iria sentir sua falta. Pelo contrário. Isso vai me destruir. Com certeza. Mas é por um bem maior, deixando meu egoísmo de lado e aceitando. Fazendo mais fácil pra você seguir sua vida. Eu creio.

Bem, agora estamos em uma encruzilhada. Se você pegar a direita, eu pegarei a esquerda e se quiser pegar a esquerda, eu vou pela direita. Mas não pense, por favor, de modo algum que eu deixei de te amar. Eu estou seguindo o ritmo do meu coração e ele quer te dar a chance de ser livre e escolher o melhor para você, mesmo que esse melhor seja outro. Eu estou te dando essa chance, talvez seja para mim também.

Só, não esqueça que eu vou sempre estar aqui por você. E eu sei que um dia. Pode ser daqui a alguns anos, ou décadas, eu voltarei pra seus braços. Onde pertenço verdadeiramente.

Pode ser que esteja casada ou solteira eu sempre serei seu.

o que os olhos não vêem?

o que os olhos não vêem os amigos tiram print e me mandam

o que os olhos não vêem os amigos tiram print e me mandam. ***

Liber de LIBERDADE

Sinto-me leve, livre
como um pássaro que voa
em busca da liberdade…
não sou de ninguém
não tenho lugar de origem,
de partida ou de chegada.
Sei que sou livre, livre…
como uma borboleta
que pousa de flor em flor
em busca do pólen
que lhe dá vida e força.
Sou eu, e ninguém mais para além de mim;
sou eu, com defeitos e virtudes;
vivo e deixo viver,
para amar e ser amado.
Sou livre como um pássaro
em busca do seu rumo
que o levará à felicidade.

# Liberdade